Dicas

Você conhece os significados de um casamento judaico?

Imagine assistir a um casamento judaico e observar quanta coisa diferente ele traz. Claro que cada acontecimento tem um significado. Ele significa algo sagrado em que o homem (incompleto) se une a sua esposa para juntar uma única alma. Confira alguns:


“Para eles, o dia em si é como um Yom Kipur pessoal (dia do perdão) e os noivos devem passar este dia em oração, atos de bondade (tsedacá) e reflexão espiritual. Neste dia D´us perdoa completamente ambos pelas transgressões cometidas em suas vidas, para que os dois comecem uma vida nova juntos em um estado totalmente puro. Já que todos os pecados dos noivos são perdoados no dia de seu casamento a noiva como em diferentes religiões usa um vestido de cor clara, e utiliza pouca ou nenhuma joia para indicar tal pureza.”


“A cerimônia propriamente dita se inicia com a Cabalat Panim que é a cerimônia de saudação aos noivos, onde a noiva e o noivo sentam-se em locais distintos sem se verem e as recepções ocorrem separadamente onde os noivos são cumprimentados por parentes e amigos. Em certas comunidades, o noivo, recita um Maamar (discurso chassídico de Torá) sobre o significado espiritual do casamento demonstrando que, mesmo no momento mais feliz de sua vida, não se esquece de D’us e da Torá. O casamento não é somente um processo particular que une duas pessoas dispostas a construir um lar, mas é uma instituição sagrada que abrange todo um povo."


“Mikveh: Uma semana antes do casamento a noiva recebe um banho ritualístico para limpar todas as suas energias e ir para a festa de casamento em um estado de completa pureza. Homens e mulheres tomam este banho, mas em espaços separados. Neste dia os noivos também trocam presentes, a noiva dá um talit (xale de orações) para o noivo e ele lhe presenteia com um par de castiçais. A partir da semana anterior ao casamento, os noivos já não se veem mais. No dia da celebração eles são considerados como rei e rainha.”


“A cerimônia propriamente dita se inicia com a Cabalat Panim que é a cerimônia de saudação aos noivos, onde a noiva e o noivo sentam-se em locais distintos sem se verem e as recepções ocorrem separadamente onde os noivos são cumprimentados por parentes e amigos. Em certas comunidades, o noivo, recita um Maamar (discurso chassídico de Torá) sobre o significado espiritual do casamento demonstrando que, mesmo no momento mais feliz de sua vida, não se esquece de D’us e da Torá. O casamento não é somente um processo particular que une duas pessoas dispostas a construir um lar, mas é uma instituição sagrada que abrange todo um povo.”


“Entrada do Noivo: O Noivo entra primeiro e acompanhado dos pais que vem seguido dos seus acompanhantes. O Antigo Testamento registra que D’us apareceu na montanha e esperou pelo povo de Israel. No seu caminho para a chupá, o noivo, junto com seus acompanhantes, faz uma rápida parada num local onde vestirá o kitel, manto branco. Outra razão do noivo entrar primeiro é que o casamento só acontece com o consentimento da mulher. Isso justifica a chegada da noiva logo após a entrada do noivo, mostrando que ela realmente deseja a união. A entrada da noiva é acompanhada pelos seus pais assim como o noivo. A noiva entra com o rosto descoberto e assim que chega ao altar, o noivo cobre-o com o véu antes de eles entrarem na chupá. A noiva então recebe bênçãos e orações dos pais. O ato de cobrir os cabelos simboliza a modéstia que caracteriza as virtudes da mulher judia, outro motivo pelo qual o noivo cobre o rosto da noiva é para indicar que não está interessado apenas na sua beleza física, ele está atraído pelas suas qualidades espirituais, algo que ela nunca irá perder.”


“A cerimônia de casamento deve ser celebrada por um rabino, mas pode também ser celebrada por um amigo ou parente, desde que haja um rabino para supervisionar a cerimônia.”


“Chupá: A Chupá é o espaço (uma espécie de cobertura, tenda aberta nas laterais) onde os noivos judeus realizam suas cerimônias de casamento. Ela simboliza passado, presente e futuro, como uma proteção que representa a bênção infinita de D’us no o lar, na casa a qual vão partilhar na futura vida a dois e a harmonia conjugal. Nos tempos antigos, o casamento judeu acontecia a céu aberto, mas, hoje em dia, pode ser feito em casa, ambientes fechados, casa de festas, ou em uma sinagoga, desde que haja a chupá nela.


“O Kitel: Tradicionalmente no Yom Kipur o noivo veste sobre seu terno o kitel branco, e permanece durante toda a cerimônia da chupá usando esta veste que lembra uma mortalha.  O pensamento de que mesmo neste seu dia mais feliz o homem deve lembrar que é mortal sempre tendo D’us em mente o afastará do pecado. Recordar o dia da morte é também um lembrete para o casal que o casamento deve perdurar até o último dia de suas vidas.”


“Ketubah: O primeiro ato da cerimônia é a assinatura do Ketubah, (contrato de casamento judaico), que estabelece os termos legais do casamento demonstrando que os noivos não veem o casamento apenas como uma união física e emocional, mas também como um compromisso legal e moral. Mesmo que haja um casamento no civil para fins sociais ainda hoje ele é assinado.”


“Kipá: De acordo com o costume judaico, os homens devem usar a kipá na cabeça para lembrar que D’us esta acima de nós, acompanhando e observando nossos atos.”


“As velas: Os noivos são acompanhados pelos pais que seguem segurando velas acesas ficando à direita e à esquerda dos noivos. A mão direita representa bondade e a esquerda, firmeza. Direita e esquerda simbolizam o relacionamento entre o casal que deve ser contrabalanceado com amor e firmeza – saber dar e não procurar só receber.”


“As sete voltas: Ao chegarem à chupá, a noiva, os pais (e, segundo a tradição de alguns, até os avós) circundam o noivo sete vezes. Este é um costume de origem cabalística, difundido apenas entre as comunidades judaicas ashkenazitas (ocidentais). As voltas são alusivas aos sete dias da Criação. Quando o ritual termina, ela se posiciona ao lado direito do futuro marido, em sinal que sempre estará ao seu lado para o que der e vier.”


“Alianças: A troca de alianças é um ato de santificação, o auge da celebração judaica de casamento. A partir do momento que o noivo coloca o anel no dedo da noiva, eles já são considerados casados. E mais: a aliança deve ser colocada na mão mais forte da noiva – seja ela canhota ou destra.”


“No judaísmo, o anel representa poder, autoridade e proteção. A aliança representa um círculo incondicional, perfeito e inquebrável. O noivo diz: “Com este anel, tu és consagrada a mim conforme a lei de Moisés e Israel”. A partir desse momento, tudo será compartilhado: a vida, a casa, os bens, os sonhos, os pensamentos, tudo.”


“O ato de quebrar o copo: O noivo quebra com o pé direito um copo para lembrar a destruição do Templo em Jerusalém. O vidro representa a reconstrução e o ritual simboliza que o homem é mortal.”


“Ao som do copo quebrado, a atmosfera solene é rompida e os convidados gritam “Mazel Tov”, que significa “boa sorte” em hebraico na hora da saída dos noivos. Então todo o silêncio e a solenidade são substituídos por danças e música. Todos devem animar os noivos expressando a alegria e apoio ao casal que constitui a partir deste momento, mais um elo na corrente de vida através da Torá. O casamento será fortalecido a cada dia através do entendimento entre ambos, dos limites do outro, companheirismo, amizade, carinho, amor, respeito e cumprimento das leis de pureza familiar. Estes são os verdadeiros valores que consagram um casamento judaico.”


Fonte: Blog o que te inspira (Alex Santiago).

Índice